Serviços emitirão nota eletrônica

O Ministério da Fazenda calcula que, em todo o País, mais de 750 mil emissores já estejam habilitados a utilizar a Nota Fiscal Eletrônica. O número deve multiplicar nos próximos meses, quando prefeituras de todo o Brasil passarão a exigir a Nota Fiscal de Serviços Eletrônica (NFS-e). Em Maringá, o sistema está em fase de implantação e deve ser concluído no fim de março.

A adoção da NFS-e, na Cidade Canção, é prevista pela lei municipal 8.748/2010. Salvo exceções, como os empreendedores individuais, a cobrança da NFS-e chegará a gradativamente a todos os prestadores de serviço do município sujeitos ao pagamento do Imposto Sobre Serviços (ISS). “A partir de maio, a NFS-e começará a ser obrigatória”, diz o diretor do Sindicato dos Contabilistas local (Sincontábil), Marcelo Scomparin.

Na avaliação do chefe de fiscalização da Receita Federal, em Maringá, Sílvio Nunes Pereira, a implantação do sistema vai dificultar, em muito, as fraudes, e favorecer o monitoramento das empresas. “A NFS-e é de interesse da Receita Federal, porque o prestador de serviço também está sujeito a tributos nacionais”, explica.

Preparação

Em parceria com o Sincontábil, a Prefeitura tem mostrado a contabilistas o sistema piloto da NFS-e, que receberá os primeiros cadastros no próximo mês. A primeira apresentação, na segunda-feira passada, reuniu mais de cem pessoas no Auditório Hélio Moreira, no Paço Municipal.

Segundo Scomparin, os escritórios de contabilidade estarão preparados para as novidades. “Buscamos o aprimoramento. Para nós, o trabalho eletrônico é mais fácil e rápido”, destaca. O desafio dos contabilistas, acrescenta, será preparar os prestadores de serviço da cidade.

BENEFÍCIOS DA NOVA MODALIDADE FISCAL

• Aumento da confiabilidade da Nota Fiscal, com melhorias no processo
• Diminuição da sonegação e elevação da arrecadação sem aumento de carga tributária
• Redução de gastos com impressão do documento fiscal
• Redução de custos com aquisição de papel e armazenagem de documentos fiscais
• Redução do tempo de parada dos caminhões em Postos Fiscais de Fronteira
• Eliminação de digitação de notas fiscais na recepção de mercadorias
• Diminuição de erros de escrituração com a eliminação da digitação de notas
• Facilitação e simplificação da escrituração fiscal e contábil
• Redução do consumo de papel com o uso de novas tecnologias
• Padronização de relacionamentos eletrônicos entre empresas

Redução do chamado “Custo Brasil”

Fonte: Receita Federal – Luiz Fernando Cardoso – O Diário

Posted in:

Deixe uma resposta