Como se adequar às novas exigências fiscais de EFD PIS/Cofins?

Estamos enfrentando nos últimos anos mudanças drásticas no que se refere à entrega de obrigações acessórias. Os controles, em outros tempos frágeis, estão se tornando cada vez mais rígidos e forçando as empresas a melhorá-los, evitando assim multas e pagamentos desnecessários.

Observamos, porém, que muitos têm deixado para se posicionar na última hora, como é o costume de grande parte. Com o advento do SPED (Sistema Público de Escrituração Digital), e uso este termo na sua totalidade (SPED Fiscal, Contábil, NF-e, e-Lalur, PIS e Confins, entre outros), este tipo de procedimento deve sofrer mudanças.

É necessário que se inicie a mudança de filosofia e se antecipar aos fatos. Neste caso, entendemos ser necessário auditar as informações, que sejam realizados investimentos em equipe de trabalho especializada e, ainda, em muitos casos, a contratação de consultorias especializadas para tratar este assunto com a urgência que lhe é peculiar. Tais medidas evitarão as duríssimas sanções aplicadas pela não entrega ou pela entrega errônea dos dados.

Na maioria das vezes estes trabalhos vêm sendo realizados com extrema urgência, e isto, além de ser um risco enorme em não se cumprir os prazos solicitados pela Receita Federal, pode ainda acarretar a entrega incorreta da informação gerando retrabalhos e multas que poderiam ser evitados com sua antecipação.

Muitas novas exigências entram em vigor neste primeiro semestre deste ano, algumas já se cumpriram e outras ainda estão por vir. Mas é certo que é cada vez mais necessário que as empresas tenham o controle total de suas informações, evitando que os controles impostos encontrem erros ou inconsistências.

Os trabalhos têm se desenvolvido dentro de um cenário de correção para cumprir as exigências do Fisco, porém, nossa sugestão é que transcorra de forma preventiva, possibilitando tratar as informações corretamente, tornando-as consistentes entre si.

É premissa para os gestores pensar de forma futurística, pois, a cada ano que passa os controles se tornam mais rígidos e fica cada vez mais difícil o trabalho a ser realizado.

Certamente isto demanda investimento neste primeiro momento, mas temos visto cada vez mais que a médio e longo prazos este trabalho se mostra muito vantajoso e importante.

Outra vantagem é que essa iniciativa visa a atualizar os dados existentes também no passado, buscando corrigir um período de cinco anos atrás e deixar as empresas em completa sintonia com o Fisco, podendo desempenhar suas funções sem preocupações que em nada tem a ver com seu principal objetivo, a lucratividade.

Acreditamos que este é o novo caminho para as empresas, um caminho onde a tecnologia e especialistas devam estar a favor das companhias, ajudando-as a cumprir seu objetivo principal e, ainda, a produzir informações consistentes e idôneas, conforme as novas exigências fiscais ou de qualquer outra natureza.

Este é o futuro! Este deve ser o caminho! Sem recursos vantajosos só para si, mas em transparência com a sociedade!

Fonte: TI Inside

contingencia_nfe

Posted in:

Deixe uma resposta