Como rentabilizar o investimento feito no SPED?

O mercado e a própria Receita Federal estão surpresos com a rápida adesão das empresas ao Sistema Público de Escrituração Digital, o famigerado SPED. A notícia é boa. Porém, é melhor para o Fisco do que para os empresários. Até aqui, o SPED significou grandes investimentos em TI, reformulação de processos e perda de foco em projetos estratégicos. Tudo isso em um ano que foi, para muitos, de crise. Além disso, para algumas empresas, ainda há muito trabalho pela frente. Não é à toa que no ambiente de negócios o SPED ainda seja visto como um mal necessário imposto pela Receita Federal.

O lado positivo da história vem agora, nessa nova fase, pós-implementação. O investimento realizado no SPED pode, sim, ser transformado em ganhos para o negócio. E isso significa de fato aumento de receita, não apenas a tão falada transparência. O ganho é maior e mais relevante que isso.

Primeiro, vejamos as mudanças positivas e “habilitadoras” de ganhos para a empresa que o SPED trouxe. Do lado do negócio, ele obrigou que as empresas, de uma vez por todas, entendessem o valor da informação consistente, ou pelo menos o tamanho do esforço que a falta dela gera. Essa percepção abre portas para uma exploração melhor do valor escondido no ativo de informações da empresa.

Do lado de TI, os problemas históricos de legados “duros” e fechados ficaram menores, porque a norma também forçou as empresas a abrirem seus processos e sistemas para a atualização frequente de informações e para a integração com fontes externas de dados, como a própria Receita, o Sintegra (Sistema Integrado de Informações sobre Operações Interestaduais com Mercadorias e Serviços) e a Suframa (Superintendência da Zona Franca de Manaus), entre outros.

E para não substituir os cadastros de clientes pelas informações das fontes externas (se sua empresa fez isso, prepare-se: você ainda vai voltar a falar dos impactos do SPED) foi preciso permitir a convivência, de forma integrada, entre o cadastro de clientes que a empresa já tinha e o cadastro para atender ao SPED.

Essas mudanças – uma cultura empresarial de exploração do valor das informações, processos de TI mais abertos e sobretudo a capacidade de gerenciar visões diferentes, porém integradas, do cliente – encurtaram muito o caminho para que a empresa chegue, enfim, a algo que todos querem ter, muitos dizem que já têm, mas poucos de fato possuem: a tal visão única do cliente. Também conhecida por “Visão 360 graus” – ou qualquer outro termo que descreva a capacidade de enxergar o cliente como um todo – e, ao mesmo tempo, com perfis diferentes em cada processo da cadeia de valor.

As aplicações para o negócio são inúmeras: maior riqueza de informações para o CRM que gera maior satisfação, menor taxa de evasão e novas oportunidades de venda; melhor integração entre as ações e ofertas, gerando maior relevância e blindagem dos clientes; visão do cliente em múltiplos níveis – família, domicílio, indivíduo, profissional -, que amplia o potencial de valor gerado por cada consumidor. Então, se até agora você não entendia o SPED como uma fonte de receita adicional para sua empresa, pelo menos na perspectiva da gestão de informações, saiba que ele tem tudo a ver!

E o que é preciso para fazer essa “mágica” acontecer? 1) Implantar um ambiente de gestão corporativa de informações, com ênfase absoluta na qualidade de dados; 2) criar ou alocar em uma área da empresa o gerenciamento do ativo de informações e, antes de tudo, 3) gerar cultura na empresa e priorizar o assunto na agenda de TI … ops, espere aí, o SPED já cuidou deste último!

* Dalvani Rufino Weber de Lima é especialista em Governança de Qualidade de Dados e diretor da GoDigital, empresa de soluções em qualidade de dados, que atua no mercado de TI há nove anos desenvolvendo projetos para companhias dos setores de telecomunicações, finanças, varejo, mídia e governo.

Fonte: Dalvani Rufino Weber – Incorporativa

Posted in:

Deixe uma resposta