Pesquisa: empresas ainda não se adequaram ao Sped

São Paulo – Dados da consultoria Deloitte apontam que grande parte das companhias encontra-se em estágio inicial; prazo é dia 30/06.

Apesar do prazo para entrega dos arquivos da Escrituração Contábil Digital (ECD) ao Fisco terminar na próxima terça-feira (30/06), muitas empresas estão em fase inicial ou ainda não iniciaram a sua implantação. A constatação é da pesquisa “Os impactos do Sped no Brasil”, realizada pela consultoria Deloitte, entre 25/05 e 22/06, que ouviu 78 empresas no País.

Cerca de 80% das empresas consultadas estão obrigadas a entregar a ECD até o final deste mês, mas aproximadamente 27% não estão com os processos adiantados. De acordo com Carolina Velloso Verginelli, gerente da área de consultoria tributária da Deloitte, muitas empresas não tinham conhecimento do tempo e da complexidade dos subprojetos do Sped (ECD, EFD e NF-e).

A não apresentação da ECD no prazo fixado acarretará em multa de 5 mil reais por mês ou fração. Caso haja inconsistência nas informações reportadas, as penalidades podem ser ainda maiores, dependendo dos reflexos tributários que a imprecisão de dados causar.

Ainda sobre o estágio atual de implantação, a pesquisa detectou que quase 25% das empresas obrigadas a entregar a Escrituração Fiscal Digital (EFD) até 30/09 também estão em estágio inicial ou ainda não iniciaram o projeto.
No que se refere à Nota Fiscal Eletrônica (NF-e), das empresas que precisam se adequar até 30/09, cerca de 14,6% estão em fase incipiente do projeto. A próxima onda de obrigatoriedade da NF-e abrange 54 importantes setores da economia, entre eles, cosméticos, informática e produtos de limpeza. Caso não cumpra a obrigação, a empresa fica proibida de emitir o documento fiscal em papel, paralisando, assim, suas atividades.

A pesquisa evidencia, ainda, que a maioria das companhias não está confortável com relação ao cadastro de participantes (clientes e fornecedores) e itens. Do ponto de vista tributário, 48,8% não estão totalmente seguras quanto à qualidade das informações geradas e devem fazer uma análise, monitoramento e eventual ajuste de seu sistema.

Outro dado que revela incertezas em relação à consistência dos dados está no fato de que quase 34% das empresas não têm segurança de que todas as informações contidas em seus ERPs (sistemas de gestão empresarial) serão migradas adequadamente para o Sped.

Na pesquisa, duas consequências trazidas pelo Sped foram apontadas com maior frequência. O cruzamento eletrônico de informações aparece em 77% das respostas, seguido pelo aprimoramento dos controles fiscais, com 65%.

Fonte: COMPUTERWORLD

Deixe uma resposta