Fiesp: 91 setores econômicos terão de aderir ao Sped até dezembro

Segundo diretor da Central de Serviços da Fiesp, terão de aderir empresas com sistema de apuração baseada no lucro real

SÃO PAULO – Para o presidente da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) e do Ciesp (Centro das Indústrias do Estado de São Paulo), Paulo Skaf, tanto o Sped como a NF-e (Nota Fiscal Eletrônica) se transformaram em ferramentas de competitividade das empresas. Durante evento realizado sobre o tema, o diretor da Central de Serviços da federação, Paulo Henrique Schoueri, ressaltou que, até o final deste ano, 91 setores de atividade econômica, entre eles, a indústria da transformação vão aderir ao Sped.
“Até dezembro deste ano, 91 setores da economia serão obrigados a aderir ao Sped, porque são empresas com sistema de apuração baseado no lucro real”, explicou Schoueri.
Vale lembrar que o Sped é composto por três pilares: Escrituração Fiscal Digital, Escrituração Contábil Digital e NF-e.

NF-e

A Nota Fiscal Eletrônica é o modelo nacional de documento fiscal que substitui a emissão em papel. Tornou-se obrigatória desde abril do ano passado para alguns setores. E até o dia 30 de setembro mais 54 setores serão obrigados a aderir ao sistema. Atualmente, quase 8 mil empresas são emissoras da NF-e.
De acordo com a gerente da empresa de consultoria tributária De Biasi, Alessandra Borrego, a Secretaria da Fazenda determinou um cronograma com os setores e a data em que eles devem aderir.
“A maior dificuldade das empresas para aderir a NF-e é o investimento que algumas organizações, sobretudo as que possuem grande demanda de notas, tem de fazer para armazenar estes arquivos. No caso, o programa gratuito oferecido pela Secretaria da Fazenda não é suficiente para a demanda destas empresas. Logo, elas precisam investir em software”.

Sped Fiscal

Já o Sped Fiscal é um arquivo digital que reúne um conjunto de escriturações e documentos das empresas importantes para o fisco.
Segundo Alessandra, são obrigadas a aderir ao sistema empresas indicadas pela Secretaria da Fazenda de cada estado, a princípio por terem arrecadação representativa. Até o dia 30 de setembro, algumas empresas terão de entregar seus arquivos.
Na opinião da gerente, neste caso, as empresas podem enfrentar dificuldades por não possuírem todas as informações exigidas pelo fisco e precisarem investir em software.
Em contrapartida, o agente fiscal de Rendas da Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo, Wilson Bento Junior, destacou algumas vantagens das empresas ao aderir o Sped Fiscal, como o incentivo ao uso de relacionamento eletrônicos entre empresas (B2B), o aperfeiçoamento dos processos internos, inclusive de logística operacional, e a maior competitividade entre as empresas, devido à diminuição da concorrência desleal.

Sped Contábil

Quanto ao terceiro pilar do Sped, o Contábil, Alessandra alerta que, a partir de 2010, as sociedades empresárias tributadas pelo lucro Real estão obrigadas a aderir a ele. Assim, em junho de 2010, serão transmitidas à Secretaria da Receita Federal do Brasil as informações relativas ao ano calendário 2009.
“É necessário muito cuidado, visto que essas informações serão objeto de auditoria por parte do órgão”.
Vale ressaltar que o Sped Contábil substitui os livros de escrituração mercantil por um documento digital. No evento da Fiesp, o auditor fiscal e supervisor técnico do Sped Contábil da Receita Federal reforçou que a contabilidade permanece a cargo da empresa: “O que o sistema faz é a validação digital dos livros. O Sped deve ser visto como um instrumento de gestão”.

Fonte: InfoMoney

Deixe uma resposta